sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Jazz e poesia

.
Nós podíamos ter escrito uma música
mas você é jazz demais para o meu blues
e enquanto você improvisa solo e
vive só de melodias,
minha vida é uma bala romântica
que exige teclado anos 80,
com refrão pegajoso,
eu sempre sou a poesia da canção.
Mas seu jazz nunca aceitou poesia.
Me fiz blues.
Mas blues não é jazz.
Você é o solo melódico.
Eu sou a poesia solitária.
Juntos seríamos tão cafona.

5 comentários:

Maria Rita disse...

Adorei a sonoridade desse descompasso musical!

Beijos pra Ti

Atitude: substantivo feminino. disse...

Não acho cafona. Acho a mistura de sons algo irresistível!

Belle disse...

Dá para imaginar o som que vem atrás dessa letra!!!
legal mesmo!!!!
bjos:***

Michele Mitsue disse...

Adorei o texto Damis!

Eu não tenho conserto disse...

Não entendo muito de coisas poéticas (sou da exatas) mas gostei muito do texto e das comparações que você fez. Tenho que confessar que gosto mais de blues.. talvez por ter lembranças... (viajei agora)... gosto das suas poesias/músicas/pensamentos... (porque eu acho que eles podem ser tudo isso juntos)
bjissimossssssssssssss