quarta-feira, 2 de junho de 2010

Adultização precoce

.
Antes de explodir uma coisa que está me incomodando a uma semana eu quero deixar duas coisas claras.

A primeira, é a de que não acredito no papo da inocencia infantil, criança não tem maldade, anjinho, que não mente, e todas essas coisas que se fala por aí. Só pra ilustrar esse fato, vou contar uma coisa que aconteceu numa festa que eu estava trabalhando. Um menininho, de menos de dois anos, veio correndo e se bateu numa porta. O braço dele imediatamente ficou roxo. Ele correu e mostrou pra mãe dele: Olha mãe, a palhaça me bateu. Enquanto tentava explicar pra mãe histérica que seu filho era um pequeno vigarista, pedi pra ela olhar pela porta de vidro que tinha atrás de mim, a cara de felicidade do pivete em ver a mãe dele quase saindo na porrada comigo.
A segunda coisa que quero deixar claro, é que sou contra essa mania de por todos os males do mundo culpar a mídia, a televisão, a globo. Os males do mundo tem umas cinco ou seis metades culpadas. Metade dos males do mundo vem de casa. Na escola, a gente cansa de ver pai cobrando de professor ensinar seu filho coisas que esse devia ter trazido de casa. Outra metade dos males do mundo é culpa da religião. Desculpa, mas incluo todas nessa. Duas décadas dentro de igrejas e só me restou o cinísmo. Outra metade a culpa é da escola, assumo, mas por escola entenda governo, ok... E, talvez o próximo da lista seja a mídia, mas não sei, deve ter mais alguém na frente.
Pronto colocado esse fatos, agora vou contar minha indignação.

Como já disse trabalho como palhaça em festas de criança, mas como depois dos cinco anos eles nos odeiam e nos batem (muito) quando é festa de criança maior não vamos de palhaço. Ainda fazemos o bom serviço mas sem gastar a voz, e sem apanhar.

Tive uma festa dessas na semana passada. Aniversário de nove anos. Baladinha num salão do melhor hotel da cidade. Fomos nós, de maquiagem psicodélica ganhar o pão nosso de cada dia.
Lá, umas trinta crianças dançavam na pista, comiam hamburguer, e piravam pelo cabelo colorido. A metade menina da festa pirava também pela maquiagem.

Até aí tudo normal, certo?
Tecnicamente.

Juro, nem nas festas mais piradas da faculdade, se vê os movimentos que aquelas meninas faziam. Aliás, a não ser que você tenham muita elasticidade e alongamento, nem na cama aqueles movimentos acontecem.

Era algo como a gaiola das popozudas no jardim de infancia.
Elas desciam até o chão, e lá rebolavam e esfregavam. No rosto, nenhum sinal de inocencia, mas, caras e bocas dignas de capas da playboy.
Elas não usam roupas coloridas e divertidas, aliás elas abominam cores, as roupas, minis e micros, eram jeans, preto, cinza, salto.

Na maquiagem, todas pediram o canto do olho mais escuro esfumaçado, blush, batom, máscara para cilios. Sim a maioria delas sabe que o nome é máscara para cilios e não rimel. É que são todas da high society. E que diferença isso faz?

Toda.
Por que quando é a pobrinha, dando pra caminhoneiro na rodovia, a gente não aceita, mas entende, que a situação social obriga elas a isso.
Mas juro, eu não sei explicar o que vi naquela festa.

Vi. Juro, eu vi: Uma delas chamar o DJ pra dançar com ela. Quando ele, constrangido disse que não e que tinha namorada, ela, com toda a sua cara sensual respondeu: Ela não está aqui, ela não precisa ficar sabendo.
Então o papo de que estão só reproduzindo o discurso da mídia não cola, porque tenho certeza que ao dizer isso, ela tinha muita noção do que estava dizendo.
Quando os homens da festa (fotografo, DJ, etc), constrangidos com a situação, passaram a evitar até olhar pra elas, elas passaram a se comportar de um jeito meio, meio clipe de rapper americano. Se esfregando, sim eu disse se esfregando uma na outra elas tentavam de todas as formas atrair os olhares.

Como disse meu colega, um pedófilo teria infartado ali. Não, não faço parte do discurso de que a ação destes é culpa do comportamento das crianças, a ação destes é doentia e ponto. O que estou dizendo é que qualquer pai e mãe com um minimo de bom senso deveria ter tirado a filha dali, nem que fosse na base da pancada.

Fico aqui pensando, em onde mora a culpa por uma situação dessas, porque provavelmente, a aniversariante e suas amiguinhas não são uma situação isolada no globo terrestre, aliás elas devem fazer parte de uma massa de crianças, que já passou do nível de sensualizadas e alcançaram o sexualizadas. Na familia? Na sociedade? No governo? Na mídia? Acho que todos tem sua parcela de culpa.

A família, se esconde na rotina corrida e não assume a responsabilidade. A mídia, que veicula crianças como a Maísa, ou aquelas do Raul Gil e faz parecer que é assim que crianças devem ser. Funk, Axébostamusic, e até meu querido rock, a musica veicula a sexualização, e elas crescem pensando que esse comportamento é o normal. Hanna Montana que me desculpe, mas nem disney channel hoje eu perdoo.
Jogo ainda a culpa no governo, que quando vai regularizar a mídia é sempre de modo ditatorial e político, por isso hoje não pode regularizar nada, nem o conteúdo que deveria ser filtrado às crianças.
Por fim jogo a culpa na sociedade, em mim e em você. E mim, porque bem deveria ter mandado aquele DJ desligar o rebolation e o tal do justimbibier e por Adriana Partipimpim pra tocar. Em você, porque eu bem aposto que nem sabe quem é Adriana Partipimpim, e acha uma graça um bebê imitando a dança de alguma mulher fruta, quebrando tudo no rebolation ou seja lá qual for a dança da moda.

18 comentários:

JPM disse...

Olá,
Desculpa-me, não deu para ler toda matéria, pois fiquei com a nítida impressão que teu objetivo era defender a mídia. Várias vezes cometeste atos falhos...mas insististe em defender a mídia.

Três ou quatro anos após uma novela da Globo, onde havia uma prostituta bem sucedida, a Capitu, importante universidade fez estudo a respeito das mulheres que estavam na prostituição... cerca de 80%, smj, haviam entrado depois dessa novela.

O inocente topete do Nazário depois da copa de 2002, foi reproduzido em milhões de cabeças Brasil afora, o que já havia acontecido com o cabelo arrepiado do Dunga após a copa de 1994, antes já havia acontecido com os carecas do volei...

Acreditas se quiseres, se a mídia não influenciasse as atitudes das pessoas nenhuma empresa gastaria fortunas em publicidade. Se a publicidade influencia, como dizer que a programação não afeta o comportamento das pessoas?

Saúde e felicidade.
JPMetz

Taw disse...

Hum... concordo muito contigo...

Olha... muito antes de 9 anos as pessoas já tem uma consciência formada a um nível considerável...

Moça... os pais podem ter relaxado, o governo pode ter relaxado... mas qual a origem do conhecimento dessas coisas?

não diria que a culpa é da mídia... mas que analisando, tal comportamento se assemelha ao que pode ser observado na mídia, se assemelha...

hum... é... quando os pais incentivam é ainda pior.

Eu prefiro responsabilizar a todas as pessoas pelos seus atos, independente de quanto tempo estão em nossa sociedade... daí, temos mais chance de realmente resolver o problema de desvio comportamental que ela tiver... não sei se você entende o que quero dizer...

Maris Morgenstern disse...

Oi JPM
Não costumo responder comentários, não sei bem o porque... Mas, hoje vou ter que.
Jamais ousaria isentar a mídia, mas pense comigo, quando das primeiras transmissões de radio no Brasil, os programas tinham pouca audiencia até aceitarem que ou retransmitiam o conteúdo das ruas, ou fechavam as portas.
O que houve com o passar das décadas foi a hiperexploração disso.
Claro que a mídia tem culpa. Mas, familia e escola e sociedade tem muito mais responsabilidade.
Qto a pesquisa q vc citou, não posso comentar sem conhece-la, mas tenha sempre em mente que nem toda pesquisa é confiável.

Paula disse...

Oiê, não sumi não, sempre leio teus posts.

Eu conheço a Adriana Partipimpim...
Concordo com você...

Francisco disse...

Maris!
Sou do tempo em que os pais se importavam um pouco mais com a educação e comportamento dos filhos. Não que isso inexista hoje em dia, mas a permissividade é muito maior.
Não culpo a mídia, pois desde que foi inventada, o objetivo sempre foi divulgar algo, sejam notícias ou propagandas.
Cabe a cada um ser o seu próprio censor, e consequentemente, estender isso aos filhos enquanto crianças.
Outra coisa. Existem crianças cruéis, sim! E sabem fazer chantagem emocional, como ninguém!
Penso outras coisas também, à esse respeito, mas iria me alongar muito, e não quero ficar te enchendo...rsrs
De qualquer forma, adorei o post. Como sempre...!

Um beijão!

Robson Schneider disse...

Concordo sim e é assustador tudo isso!
Acompanhar o desenvolvimento de nossos filhos, significa bater de frente com um forte corrente negativa que bombardeia de todos os lados... Acho que o segredo ainda é apostar na relação familiar franca e que estabelece limites onde for necessário...
Bjo Maris

Celamar Maione disse...

Nero tacou fogo em Roma e na época não existia " mídia". Jesus Cristo foi crucificado e não existia Televisão, nem TV GLOBO.
E Tiradentes ? De quem teria sido a culpa ? Do SBT ? Do Jornal do Brasil ?
Tá na hora de parar com a hipocrisia, arregaçar as mangas e educar as crianças . Quem quer filhos tem que EDUCAR. TEM QUE RALAR. Aconselhar. Acompanhar. Criar bons hábitos.
Eu nunca quis filho. E olha que tem gente que acha que eu não tive filho porque não POSSO ter filhos. Pensamento " retrógrado".
Como disse certa vez uma atriz e não vou citar o nome dela aqui : " Existe vida além da maternidade."
Não tive filhos pq não tenho paciência de educar. Sou egoísta.
Ter filho não é obrigação social. Há meios de se evitar. E quem quiser tê-los, que por favor, trate de educá-los .
É fácil fugir a responsabilidade e colocar a culpa na mídia, na escola, etc e tal.
Certa vez entrevistei um ator que me disse que não deixa os filhos dele assistirem TV para não aprenderem " coisas ruins". Tempos depois, foi acusado de bater na esposa. E aí ? Culpa da mídia ? Belo exemplo que as crianças tinham em casa. Um pai espancando uma mãe.
Aprendi desde criança : Educação VEM de casa. Pais mal educados e omissos. Filhos mal educados e agressivos.
" Educar as crianças para não precisar punir os adultos".
Como ?
Com a palavra os " educadores".
Beijos

Lila disse...

Acredito que certos comportamentos está intimamente ligado a falta de conhecimento dos próprios pais...onde estavam os pais dessas crianças?
Hj, muitos pais esquecem de EDUCAR...é mais fácil falar SIM do que NÃO.
Família é a base de td, sem ela, os pilares emocionais, morais não se concretizam.
[Otimo post.
Bjs

James Pizarro disse...

O velho S. Freud já falava que o que a gente aprende em casa dos zero aos 10 anos vai influenciar nosso comportamento durante toda a vida.
Se os pais e avós nada ensinaram, ou ensinaram mal, ou superprotegram, teremos mais um fdp na sociedade !
Pai e mãe que permitem que uma filha de 8...9...10 anos se vista e se comporte eroticamente e faça caras e bocas convidativas para concorrer a concursos de miss infantil...deveriam ir prá cadeia ou para uma clínica de recuperação para aprenderem a ser pais.
Quando uma pobre coitada e faminta vai pras ruas e avenidas do Brasil fazer ponto nas esquinas e trepar com estranhos pra poder comer um cachorro quente no final da noite, a sociedade chama a mesma de PROSTITUTA !
E as universitárias e as patricinhas que "dão" de graça, que nome têm ?
A prostituição no Brasil está acabando devido à concorrência desleal com o amadorismo...

Beijo

James Pizarro

www.professorpizarro.blogspot.com

EM TEMPO : Adorei teu texto e teu blog. E provavelmente sejas a palhaça mais lida do Brasil.

The Blues Is Alright disse...

Tudo - a mídia, o menino, a menina, as meninas, o mundo, o globo terrestre e todo o resto - é uma mistura de índole, instinto (descontrolado), conformismo, criação e uma série de outras pendengas que nós continuamos querendo apontar o dedo pra frente mesmo dando a entender que também apontamos pra dentro. Eu sei quem é Adriana Partimpim. Beijo.

Atitude: substantivo feminino. disse...

Putz Mari...não sei nem se vai caber aqui tudo que eu vou falar.
Não senti vc eximindo a culpa da mídia não. Só senti vc dando mais ênfase a educação em casa.
Concordei bem com o que você colocou e sabe o que eu acho? Que deveria ter teste para sebr se a pessoa pode ou não colocar um filho no mundo.
Eu acho engraçado isso...o ser humano não tem o direito de tirar a própria vida (não que eu defenda isso, muito pelo contrário) mas tem o direito de colocar no mundo um filho muitas vezes sem ter nenhum preparo e condições psicológicas, físicas e financeiras.
Nenhum político fala de controle de natalidade. Não dá voto.
Todo casal classe média, quer logo ter um filho por status. Um troféu. Primeiro se casam, depois compram um ap e depois tem um filho. E aí começa a briga. Não há preparo. Querm ter porque querem ter, só isso. É um ato egoísta.
Eu acho que a mídia influencia determinados comportamentos sim, mas por que a criança estava tanto tempo exposta a esses estímulos?
Te respondo:
Porque pais ocupados e desinteressados acham um saco levar o filho na pracinha, no teatrinho, no esporte...é muito mais cômodo largar na frente da TV, do DVD...é mais fácil e barato.
Aí...lógico que seu filho será criado pela televisão! Óbvio.
O que estraga não é a tv ou a internet. É a falta de acompanhemento dos pais.
Meu marido é professor de escola estadual e presencia absurdos...é de chorar...na escola particular as vezes é até pior, porque se vc passa um dever de casa como castigo ou fala mais alto com a criança demonstrando autoridade, logo vem uma mãe Prozac te meter o dedo na cara e dizer que o filho dela foi maltratado.
Bando de malucas sem responsabilidades. Criam animais, só isso. Não há controle. Ninguém assume a culpa.
Vejo muita coisa por aí e te digo: tenho 33 anos e não tenho filhos ainda. Só terei quando estiver realmente preparada para educá-lo. Ahhh mas vc vai estar velha e não dá para ter filho velha...(me dizem isso a todo momento) - te respondo: adoto. Adoto com meu coração aberto, porque ser mãe não é ter filho ser mãe é educar. E é isso que muitas mães hoje não fazem.

Desculpa o tamanho mas o tema mexe demais comigo.

Bejocas lindinha e parabéns!

wcastanheira disse...

Parabéns, um tema polêmico, perigoso, mas vc escreveu incríveis verdades, deu um show de sinceridade, concordo com suas afirmações, vc deu a cara, se expos, e escreveu aquiloq mtos tem medo de dizer, gostei um montão e fiquei ainda mais seu fã, por isso gosto tanto de passear por aqui, para ler seus manifestos e esperar q vc lembre da música, pra vc minha linda bjos, bjos e bjossssssssss

José disse...

Olá Maris!
Concordo plenamente com tudo o que diz no texto,quando eu andei na escola andavam duas ou três crianças que já eram pequenos bandidos cresceram foram para faculdade hoje são formados e grandes bandidos.Acho que isso nasce logo com a pessoa, porque os pais já são assim, depois o resto é fácil aprender do jeito que estão as coisas. Parabéns

deixo meu carinho,
José.

Anitas disse...

UAU!
querida, vc foi perfeita em suas colocações. A culpa é realmente de muitaaaaaaaaaaaaaa gente, inclusive dos pais (principalmente)
Na minha época de criança, apenas duas ou três meninas eram mais assanhadas e as demais ficavam olhando com terror para elas.
Hoje em dia, duas ou três são normais e se sentem aterrorizadas pela pressão incrível em ter de ser iguais às mini vacas.


Acho que o mundo vai ter que inventar mais uma DST fatal e altamente contagiosa pra ver se a galera se toca.

besos

Fabiana Folly disse...

Gente estou assim BOQUIABERTA...
Quando tinha 9 anos eu brincava de Barbie e no máximo colocava o Ken beijando a Barbie( a achava isso proibidissimo! Rsrsrs)

A mídia escraxa, coloca malhação falando de sexo, novela falando de sexo, filmes falando de sexo e não só sexo a televisão valoriza muito a sensualidade! Acaba por ser uma coisa normal pensa uma criança de 9 anos...
Ai que entra a educação dada pelos pais que você citou. Pai e mãe, tem que ficar em cima, ensinando, conversando, não deixando ver essas coisas fúteis.
Criança tem que ser criança! E entender o mundo que lhes cerca aos poucos sob a tutela de alguém que lhe explique o mundo de uma forma natural.
O exemplo de casa é o maior ensino que pode ter. Criança repete tudo que vê e tudo que escuta.

Muito legal esse post viu! Parabéns!
Beijinho!

Daiane disse...

Concordo com o seu post Maris. De quem a culpa? Procurei pensar como fui criada ,o que eu fazia, tudo. E ja no meu tempo de inocente eu não tinha nada eu sabia de muitas coisas mas sabia que algumas dessas coisas era errado sabia as consequencias. Os pais , professores sem duvida contribuiram muito pra ser o que sou hoje. Meus pais com a educação, principios sobre muitas coisas que eu achava antiquados mas hoje vejo que foram de fundamental importância e que com toda certeza não é educado em casa é educado pelo mundo da pior maneira possivel e as consequencias inevitaveis. Meus pais não são pessoas estudadas como eles mesmos dizem, meu pai não é um exemplo de como ser pai me decepcionei com algumas de suas atitudes, mas jamais vou me decepcionar com o modo como ele me criou pai de primeira viagem mais que lutou e luta com tudo que têm pra me fazer melhor a cada dia.
Os professores tive alguns horriveis, outros tão bons que valem por todos. O referencial de autoridade que a criança tem são os pais e professores se eles não desistirem da educação as crianças também não desistirão. E a mídia ? tendo educação e discernimento saberão filtrar tudo que é transmitido. As crianças de 12 anos pra mim ainda é criança não precisam ver sexo na televisão pra repetir o fazem por instinto mesmo independente da classe social o que uma pessoa nessa idade deve ter é conhecimento sobre as consequencias porque privar das informações ninguem vai conseguir e não adianta. No passado filmes eram censurados por certas cenas e nem por isso impedia que jovens fugissem dos pais para fazerem coisas erradas, isso sempre existiu o que acontece hoje são pais ausentes e crianças virando adultas mais cedo, sendo mãe com 13 anos um absurdo.

Nossa me delonguei demais e ainda tenho muita coisa pra dizer assunto interessantissimo.

Adoro seus post's Maris beeijoks

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Maris, adorei o seu depoimento. Faz a gente pensar muito. Concluo que existe pedacinhos de culpa em tudo que você citou, contudo se os pais e a família tiverem um mínimo de estrutura, podem "desanimar" seus filhos diante desses absurdos. Se você bate na tecla de que é ridículo uma criança "dançar" assim, de repente ela percebe o papel que está fazendo. Se existe um potencial para o descaminho, por que não acreditar que exista o efeito contrário.
Atenção famílias! Linha dura na criançada. Quer queira quer não, são os futuros dirigentes desse mundão aquí.
Maris, rí muito com isso:
"Como disse meu colega, um pedófilo teria infartado ali".

Você é irônica prá caramba, kkk!
Uma beijoca bem carinhosa.
Manoel.

Eu não tenho conserto disse...

Protesto! Eu odeio as mulheres fruta! ...rs...
Falando sério, sabe, eu sempre achei criança o ser mais egoísta, maldoso e manipulador que existe. Tudo elas querem, elas mentem, elas chantageiam, elas maltratam (outras pessoas e animais - eu ja cansei de ver criança maltratando cachorro, e todas as vezes eu fui em defesa do pobre animalzinho).
Não acho graça quando a criança se expoe, e ela se expoe (principalmente dessa maneira sexualizada) porque adultos acham engraçadinho.
Na minha época, se minha mãe me pegasse dançando lambada eu levava uns belos tapas. Mas hoje em dia não é assim, todo mundo acha tudo uma maravilha. Não sei onde o mundo vai parar e concordo com vc. Culpar unica e exclusivamente a mídia não resolve e nem é verdade.
Adorei eu blog! Estou seguindo!