terça-feira, 24 de novembro de 2009

hoje só a morte me vestiria bem

.
Vestiu preto.
Mas não sentiu-se bem.
Luto não era o que queria.
.
Queria vestir a própria morte.
A tanto tempo não sentia o desejo por ela.
A tanto tempo o coração não doía tanto.
.
Fez-se mentirosamente forte.
Mas mentirosamente forte foi o que havia sido esses meses.
Mentirosamente forte, era o que havia sido toda uma vida.
.
Hoje queria ser fraca.
Queria ter mesmo deixado-se bater no acidente que evitou alguns momentos antes no centro da cidade.
Ao menos se naquele momento soubesse de tudo não o teria evitado.
.
Na roupa preta seguiu a rotina.
Ao menos pudesse por algumas semana sumir.
Mas nem isso podia, os compromissos já estavam todos agendados.
.
E essa vontade de fugir, essa vontade de sumir, essa vontade de morrer.
Chorar é pra fracos, repetia o jargão que ficou aposentado algumas semanas.
Morrer é pra perdedores, repetia a nova palavra de ordem.
.
Restava vislumbrar o futuro sombrio.
E desejando a morte enfrentar a vida.
Com a alegria de farmácia recém comprada.
.
Resta-lhe assumir a maturidade que quer negar.
E de uma vez por todas parar de se deixar ser criança.
De se obrigar ser criança.
.
Pois se sabia de tudo desde sempre, só uma criança choraria pelo brinquedo que jogou contra a parede.
Vestiu preto e engoliu as lágrimas.
Desejou a morte. Mas que não fosse a sua.
.
Engoliu as lágrimas que com aquele gosto de alto mar.
refletiam a mesma história, a mesma piada divinal
ontem mesma relembrada
.
Vestiu preto
desejou a morte
e mais uma vez odiou o todo poderoso. Aquele piadista de mal gosto.

.

4 comentários:

Carol disse...

Nunca havia pensado nisso, que muitas vezes o luto não é suficiente, mas que a morte em si seria a roupagem perfeita...
Lembrei do poema de Oswaldinho, "que a morte de tudo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca, porque metade de mim é o que eu grito e a outra metade é silêncio".

Carol disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andrea Mari disse...

morte em vida traz renascimento de muita coisa na gente!
a fase negra transitoria...eu tbm acho q as vezes o sr.Barbudo brinca c a gente!
bjosss

Paulo Tamburro disse...

MARIS, bola pra frente!

Um abração carioca!