quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Novo rumo

Novamente, o mesmo ritual feito sem mais nenhum sentimento. Há tanto tempo, não consigo encontrar na memória onde o verdadeiro significado se escondeu. A única coisa que vejo refletida no espelho é mais um vestido dominical.
Fiquei presa à conceitos que nunca se concretizaram, sempre no ideal.
Conceitos que muitas vezes bloquearam minha capacidade de pensar e ignoraram minha vontade de escolher.
E eu, nem mesmo percebia que minha sensibilidade estava sendo roubada.
Sem sensibilidade para não julgar, sem sensibilidade para expressar desejos, sem sensibilidade para enxergar um amor verdadeiramente incondicional. Tornei-me mecânica, ouvindo o eco de uma voz sem emoção naquele salão vazio cheio de gente.
Acreditem, um dia foi tudo real, verdadeiro, intenso, mas tentar continuar agora seria forçar-me a falsidade. E, antes de ser falsidade com os espectadores, falsidade comigo mesma.
Crer no invisível, confesso, nunca foi tão difícil. O difícil era fechar os olhos para hipocrisia, esconder lágrimas com sorrisos bem contornados, viver entre pessoas perfeitas. Tentei, por muito tempo, mas ser perfeito não me atrai, não me encanta.
Não, não me arrependo de nada. Acho que arrependimentos são perca de tempo. Mas sinto, porque minha sede não foi saciada, simplesmente cansou de clamar e minha carência não foi suprida, simplesmente cansou de esperar. Cansada por completo, até o corpo tem sentido os reflexos de uma luta que é da alma.

Não vai ser fácil, nada é fácil. Tanto insistir quanto desistir exigem uma força que, nesse momento, não disponho. Estou no meio do caminho, parada. Não estou decidida nem determinada a nada, só cansada e confusa. Cansada de tantas mentiras maquiadas e confusa entre o que realmente é certo e errado - se é que existe alguma diferença.

Não quero fazer uma revolução mundial convencendo todos da minha nova visão - nem sei se já tenho uma formada. Só quero fazer uma revolução em mim mesma. O que almejo agora, é viver sem vergonha dos meus sentimentos nem medo dos olhares repressores.

Viver, não apenas existir.

15 comentários:

a.C. disse...

olha, fico feliz que voces tenham achado meu blog por aí... porque assim descobri esse aqui, que sempre tem umas coisas com as quais tanto me identifico.
apesar de meio triste, é bom de ler. =)

Maris Morgenstern disse...

ai, ai, ai...
eu já vi um texto igual a esse, e dessa vez nem é a piadinha de plagio... mas uma história que se repete. Chega a doer ver ela se repetir, já que o salao cheio de gente de que falamos deveria estar ali como mao estendida, nao como vara repressora...
as sedes raramente sao saciadas, e as carencias nunca sao supridas.
o que fica sao os amigos q levamos de lá por essa vida, pelo caminho.

minha sorte é que no meu caminho eu achei vc.

Carol disse...

Todo mundo é resistente à mudanças... eu sempre digo que nascer e morrer ignorante e conformado é mais fácil. A gente sofre reorganizando conceitos, tentando sair do que vemos que está errado. Mas há muita gente que é feliz assim, sem questionar...
E eu às vezes penso se isso não é mais satisfatório!

Francisco disse...

Bruninha.
O primeiro passo (o mais importante) você já deu.
Soltar as amarras e dar um grito de liberdade, é o que importa...sempre!
Beijãozão, lindona!

xoogle disse...

Que bom que eu insisti, sabia que não seria uma perda de tempo.

Você conseguiu descrever algo muito próximo na minha vida quando eu completei 37 anos. A liberdade encontrada ao viver os nossos sentimentos de forma eximida é uma conquista inesquecível. Te desejo perseverança e força nisso. Vale a pena.

Bjo.

Ivan.

Kate disse...

Ai meninas, o texto é lindo... Mas eu vou confessar... vai chegando fim de ano assim, já to em ritmo e ferias, não quero mais saber de nada! Meio que só estou "existindo" e não vivendo!

Preciso urgente recarregar minhas baterias!

Daiane Pereira disse...

minha sorte é que no meu caminho eu achei vc² Claro que foi um caminho diferente , digamos que quando achei a solução vc apareceu e mudou as perguntas...rsrs

É isso que faz a diferença na vida , VIVER e não apenas existir, a infelicidade que é representar um papel com um sorriso bem contornado onde só se tem a insatisfação de desejos insaciados é o cumulo da falsidade. Que bom que percebeu isso antes que se acostuma-se a tentar "viver" assim existindo em um salão quase cheio , brilhando onde não veem o seu brilho, sentindo o que não sente... precisando fechar o olhos quando o que queria era encarar e perguntar Porque?

Se sorte existir e não for uma simples ilusão uma coincidencia rsrs eu te desejo toda a sorte do mundo nessa nova descoberta e que seus desejos insaciados busquem a fonte da verdade o que vale a pena não é saciar a sede é aumentar o desejo depois de satisfeito...porque só nos admiramos daquilo que é mais do que podemos suportar é mais do que imaginamos ,assim sendo sempre deixa um gostinho de quero mais...

Beijo ♥ Parabens pelo texto (:

Cadinho RoCo disse...

Viver é bom muito bom, mas não é tão simples quanto parece.
Cadinho RoCo

Belle disse...

Mudar ,mesmo que seja difícil, às vezes é mto necessário..
Assim nos damos uma outra chance de nos encontrarmos e sermos felizes !!!
bjos

meus instantes e momentos disse...

viver , é viver.pode ser simples e dificil, mas é viver. Com todos os "issos" e "aquilos" que aparecem na frente.

CAROL PERIOTTO disse...

adorei o blog!!!

estou seguindo! parabéns!

Silvana Nunes .'. disse...

Passeandp pela net encontrei o seu cantinho. Gostei e pretendo voltar com mais calma.Aproveito para convidá-lo conhecer FOI DESSE JEITO QUE OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
Paz e Bem.
Saudações Florestais !

Denise disse...

Vale tanto a pena esses questionamentos e a certeza que não existem certezas.

e que verdade absoluta é burra e tola.
Nem combina com alguem tão capacitada para mudar....andar voltar ir e caminhar caminhando.

continue minha linda a vida é descobertaaaaaaaaaaaa,
principalmente de vc mesma.

saudades
De

Otto disse...

Amei.

Maris Morgenstern disse...

volteri uns meses depois reafirmar q amo esse texto